[Resenha] Série Os Imortais: Terra de Sombras - Alyson Noël

Olá amorecos e hoje venho com mais uma resenha do livro Terra de Sombras da série de livros OsImortaisAlyson Noël, da Editora Intrínseca.
Só para lembra-los, as resenhas do primeiro (Para Sempre) e segundo (Lua Azul) volumes, já estão aqui no blog, para conferir clique nos títulos.



“Corro para socorrê-lo, implorando que aguente firme enquanto o ajudo a se libertar. Mas ele não consegue me ouvir. Não consegue me ver. Só continua a se debater até ficar tão exausto, tão desgastado pelo esforço em vão, que fecha os olhos e vai desaparecendo, despencando no abismo. A terra de sombras...”.


Pois é, após um feitiço rogado por um dos inimigos do casal protagonista, Roman, Damen e Ever não podem trocar nenhum tipo de fluído entre eles, desde o mais simples – beijo – até o tão esperado encontro carnal que já tiveram que esperar por mais de 400 anos, afinal são “imortais”.




“Nem uma troca de DNA que seja. E caso ainda não tenha entendido o que isso significa, permita que eu explique: vocês não podem nunca mais trocar fluídos corporais de nenhum tipo... quer dizer que não podem se beijar, lamber... compartilhar o elixir... ah, e claro, também não podem fazer aquilo que ainda não fizeram... porque se fizerem Damen morre...”.

Uma ressalva para aquela questão que havia questionado na outra resenha: esses imortais podem morrer por conta do feitiço – não é bem morrer (ufa agora entendi) caso aconteça o encontro de fluídos do casal, Damen “morrerá” e cairá no exílio definitivo de uma terra de sombras – Shadowland.
E para que isso não aconteça, Ever está disposta a enfrentar o que for preciso, até mesmo um mundo que até então é totalmente desconhecido e que Damen lhe alertou sobre os perigos – que se não for bem utilizado pode piorar ainda mais as coisas – o mundo da magia. Nessa busca por ajuda, surge então Jude, que poderia sim ser apenas um amigo e dono da loja em qual Ever está disposta a trabalhar por conta da insistência de sua tia (Sabine), mas a autora quis trazer ainda mais problemas para a vida dela, ou solução sei lá – afinal, imagine encontrar um surfista de olhos verdes, dons mágicos e dono de um passado pra lá de misterioso que talvez já tenha cruzado com o seu em alguma de suas encarnações passadas e que colocará o amor de Ever e Damen a prova.
Além disso, Ever reencontra as gêmeas que conheceu em Summerland (Romy e Rayne) e acaba descobrindo que Damen já as conhecia e, além disso, irá cuidar das duas que não conseguem voltar para Summerland novamente após uma escolha “errada” de Ever. Por conta disso ela terá que enfrentar as meninas de uma maneira que jamais imaginou.
Nesse volume ela terá que enfrentar ainda mais coisas do que nos outros e Roman passa tê-la nas mãos por ser o “único” que talvez tenha uma maneira de reverter o feitiço que ele mesmo rogou em Damen. Além disso, Ever é colocada em um caminho bem complicado, afinal, além de tal feitiço, seu professor de história Munoz que sabe de sua paranormalidade começa a ter um relacionamento com sua tia, o que pode ocasionar ainda em mais desconfiança da parte dela caso ele conte algo pra ela. E tudo começa a perder o sentido afinal, Roman trabalha estrategicamente para que ela se entregue a ele como maneira de se vingar de Damen pela morte de sua amada Drina.

“Você e eu não somos tão diferentes. Somos praticamente iguais. E não vai demorar muito, querida, para que eu tenha a chance de provar. Não vai, demorar muito para você enfim pagar o preço”.

Além disso, ele coloca até mesmo seus amigos no meio da história toda e ela terá de decidir em colocar sua atual melhor amiga nesse caminho da imortalidade – Haven – ou perde-la para sempre.





























Desde que comecei a ler a série, confesso que por vezes me questionei sobre a possibilidade de ser imortal, se seria bom ou ruim, e a coisa mais linda que li, foi à declaração de Damen a respeito da situação, e quero dividir com vocês esse momento e mais alguns quotes pra lá de inspiradores, espero que gostem:

A realidade de viver para sempre... Uma realidade que parece vasta, infinita e poderosa, sem limites visíveis... até que percebe a verdade que se esconde por trás dela... a verdade de ver seus amigos se definharem e morrerem enquanto você permanece igual... Tudo isso faz com que seja impossível criar laços verdadeiros. E a ironia é que, apesar de nosso acesso ilimitado a poderes e magia, a tentação de causar grande impacto ou efetuar alguma mudança real deve ser evitada a qualquer custo. É a única forma de nos mantermos escondidos, com nossos segredos preservados...”.

... não somos definidos por nossas coisas. Nem pelas roupas que usamos, os carros que dirigimos... Não é onde vivemos, mas como vivemos que nos define... Nossas ações é que serão lembradas depois que partirmos...”.

Encontramos as pessoas que devemos encontrar, no tempo certo...”.

Sério devo elogiar a autora por aqui, porque sinceramente, como ela é capaz de brincar com a cabeça do leitor a ponto de fazê-lo acreditar que enfim a história terá um desfecho e de repente acrescentar ainda mais personagens na história e mais histórias dentro da própria história. Confesso que após ler tantos comentários negativos sobre o livro, fiquei um pouco com o pé atrás, mas não me arrependo de ter continuado e dado uma chance para a série, só espero que no final tenha um desfecho e que ela consiga ligar todas as pontas da história e não deixar nada pra trás. Além disso a autora nos faz viajar para diversos lugares lindos como Florença e Amsterdã, e ainda nos proporciona o prazer de lembrar de diversas obras de arte, além de trazer assuntos como reencarnação, magia e misticismo com maestria.
Bom amorecos é isso, estou amando a série e em breve tem a resenha do próximo volume – Chama Negra.


4 comentários :

  1. To adorando as resenhas, finalmente alguém que é tão apaixonado pela série como eu. Tenho uma relação de amor e ódio com o Roman, ele é aquele vilão que eu amo odiar hahaha Espero que goste do próximo, ele é surpreendente, de tirar o fôlego.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Maria, que bom saber que existe alguém nesse mundo que também sente isso rsrsrs.
      Estou mega ansiosa por aqui já pelos próximos!
      Obrigada pela visita!
      Beijokas!

      Excluir
  2. Olá, Grazi!
    Eu também adorei esse livro e confesso que achei que você ressaltaria um ponto que vejo muito em resenhas sobre esse livro: "A semelhança com crepúsculo", você não sentiu isso?
    Eu só li o primeiro livro, gostei muito, mas fiquei com uma "preguicinha" de continuar, mas vejo que vale a pena, né? Vou retomar a leitura em breve! haha

    Beijos,
    www.estantedajosy.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie Josy,
      Que bom gostou. Eu citei isso no primeiro volume, mas, como uma das leitoras do blog mesmo comentou - será que não é Crepúsculo que tem semelhança com os imortais? - vou pesquisar e quem sabe sai um post.
      Vale muito a pena continuar viu.
      Beijokas e obrigada pela visita!

      Excluir

Deixe seu comentário