Morte na Flip - Paulo Levy


Oie amores, mais uma vez trago pra vocês uma história com o Delegado Joaquim Dornelas, que confesso que tomou parte de meu coração literário dessa vez, afinal a história me prendeu do início ao fim, diferente do outro livro do autor Paulo Levy (Réquiem para um assassino) já resenhado aqui no Faces. 
Mesmo se tratando de um livro com o mesmo personagem, pode ser lido separadamente, afinal, uma história não está atrelada a outra.



Dornelas, se vê diante a um crime internacional dessa vez, em que durante o evento mais que tradicional da cidade (Festa Literária de Palmyra - FLIP) terá de investigar o assassinato da ilustre autora convidada Georgia Summer. O que complica ainda mais Dornelas que terá de  correr com as investigações, já que além dos responsáveis pela feira, a imprensa toda está lhe cobrando uma resposta e Palmyra pode virar um caos a qualquer momento.



"... Delegado, uma das autoras convidadas não voltou ao hotel na noite passada... Georgia é uma das convidadas ilustres dessa edição da FLIP, Ela fará um debate sobre romances femininos ... não sabemos o que dizer a imprensa...".

O que Dornelas não imaginava é que sua investigação iria ser muito mais complicada das que estava acostumado, afinal, além de envolver assuntos que ele estava acostumado, não só a autora usava pseudônimo, mas os envolvidos com o crime também se escondiam nos personagens menos improváveis, escondendo detalhes importantes para a investigação do tal assassinato. Diante a uma sequência de fatos e situações que pretendem confundir Dornelas e a polícia nas investigações, ele se mostra mais do que competente e um profissional e tanto, juntamente com uma equipe de investigadores, papiloscopistas, policiais e tantos outros. 
Dornelas vai aos poucos juntamente com tantos outros profissionais, juntando as pecinhas pra tentar descobrir o motivo do assassinato, como se fosse um emaranhado sem começo nem fim que ele descobre brilhantemente.
Em contrapartida ao crime, ele se vê diante a situações inesperadas, afinal, além de sua ex-mulher (que levou seus filhos junto de si quando abandonou Dornelas por não aceitar a profissão do mesmo) querer reatar o casamento, ele se descobre apaixonado por Dulce, que além de amiga de profissão é sua "namorada", e seu filho está entrando na adolescência, tendo atitudes de jovem às quais sua mãe não sabe lidar e o cobra por seu papel de pai - que devido à profissão tem de ser feito por telefone.

Morte na Flip é um livro empolgante, de leitura fluída e faz com que o leitor acompanhe através das investigações o caso em questão e queira ler sem parar pra ver até onde vai a capacidade profissional de Dornelas. Além disso, o autor tem uma escrita maravilhosa, sem rodeios ele consegue prender o leitor em cada linha escrita, seja por sua facilidade em descrever os fatos, ou pela maneira que construiu o personagem, ou ainda quem sabe, pela maneira direta de escrever sem pestanejar ou ficar rodeando muito.
Trata-se de uma ficção policial muito bem escrita. Que a meu ver chega aos pés de grandes escritores dessa temática, embora eu tenha lido pouquíssimas coisas desse gênero. 
O que não poderia deixar de comentar é o fato de o autor, colocar coisas do cotidiano pelo menos a nível Brasil que impedem uma investigação rápida. E o melhor disso é que ele faz de forma muito bem humorada uma ceerta crítica aos órgãos competentes.

Beijos e até breve minhas lindezas!!!

1 comentários :

  1. Eu tenho lido alguns livros policiais e visto resenhas de outros e tem me interessado muito!
    Gostei muito da sua resenha, quem sabe consiga esse ano ler esse livro.
    E parabéns pelo seu Blog, é muito lindo!

    Beijos
    devoreumlivrooufilme.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário