Entrevista - Renato Klisman 21 anos - (Capista)

Oi amorecos, todos bem?!

Hoje trago uma entrevista pra lá de inusitada, com Renato Klisman (21 anos) e capista de diversos livros da literatura nacional, alguns deles já resenhados aqui no Faces.
Antes de se tornar capista já era amante da leitura, por conta da "fuga" da realidade que ela lhe permite, além dos ensinamentos a respeito da vida, das pessoas e etc.
Teve seu primeiro contato com os livros na pré-escola, eram aqueles livros que podem ser levados à banheira/chuveiro.

"Minha mãe sempre me incentivou à ler, sempre me dava "exerciciozinhos" com alfabeto, palavras pra completar...".

Além da possibilidade de adquirir conhecimento, ele menciona que através da leitura ainda é possível adquirir cultura.
Sua leitura atual é A Garota na Tela de Aranha - David Lagercrantz (Último livro da série Millenium), Starcraft - Ponto Crítico e a HQ em inglês Coraline. 


"Sim ei tenho mania de ler mais de um livro ao mesmo tempo hahaha..".

Tem vários livros favoritos, mais menciona gostar muito de Exorcismos, amores e uma dose se blues, do autor nacional Eric Novello.


"... É um livro que eu tenho um amor muito grande, não apenas por que o autor é um amigo que considero muito, mas também por ter uma narrativa incrível, contagiante, personagens cativantes e várias ligações com Alice no País das Maravilhas, que é um outro livro que amo mais que tudo nessa vida.".

Quanto a poder ser um personagem, Renato gostaria de ser uma mistura de Dante (que ama) e Aristóteles (por ter um amigo com esse nome), afinal "... ambos descobrem o segredos do universo e vivem uma aventura incrível... ambos tem personalidades e conflitos opostos, mas conflitos que me identifiquei demais... é como se parte de minha vida estivesse dentro daquela história...".





SUAS CAPAS

Jamais imaginou que seria capista, até começar a fazer capas para as amigas "em apuros", o que fez com que a coisa fosse se desenvolvendo aos poucos. A partir de um blog literário que ele tinha, começou a ter contato com muitos autores independentes, e com o tempo a coisa foi dando frutos e crescendo.
Atualmente trabalha como designer, no entanto seu maior "problema" é quando lhe pedem um orçamento e ele tem de concorrer com os profissionais que fazem serviços de baixa qualidade cobrando mais barato.

"É um mercado que tem de tudo para se expandir, mas antes precisa que muita gente tome algumas doses de semancol a fim de fazer serviços de melhor qualidade, desse modo evitando denegrir a imagem de pessoas que estejam de fato querendo isso para suas vidas...".

Ele menciona que quando um cliente o contrata procura dor o melhor de si e fazer algo que se torne atrativo para o público alvo e realmente deixe os leitores curiosos sobre o conteúdo das páginas dos livros.

Quando questionado a respeito de sua capa predileta Renato não conseguiu escolher uma ou outra, mas mencionou algumas de suas favoritas:

No entanto, como tudo na vida pode melhorar, Renato menciona que algumas capas poderiam ser melhores, e essas capas ele pode fazer novas para as novas edições e que passaram a ser suas preferidas também, que são:

- Delenda (Amanda Reznor);
- Sempre foi você (Ana Lemos).

Agora falando das capas que eu (Grazielli) mais amei que foram feitas pelo Renato (rsrs), muito embora fique difícil escolher, algumas me chamaram muito a atenção:

E pra finalizar Renato deixou uma mensagem especial a seus apoiadores:

"... queria agradecer a todo mundo que sempre me apoiou durante esses quase cinco anos que vivo nessa selva literária. Principalmente aos leitores, que vêem as capas e fazem suas críticas. É muito bom ver seu trabalho se espalhar pelas mãos de milhares de leitores por todo o Brasil, e as vezes até para alguns cantos do mundo. É apenas isso que me faz seguir em frente. Ver a emoção que uma simples capa pode gerar no leitor e também no próprio autor. Nada melhor que os pequenos surtos quando entrego um trabalho finalizado..."

Contatos:

@RenatoKlisman

É o que eu digo no slogan da RK Design: 
Julgue pela capa.

[Por Trás da Poltrona] - Maze Runner: Prova de Fogo - Por: Cláudia Ferreira

Olá seguidores do Faces de Uma Capa! Eu sou Cláudia Ferreira e hoje eu vou falar um pouco sobre o filme de ação e suspense “Maze Runner – Prova de Fogo”. Baseado no livro homônimo de James Dashner, estreado nos cinemas de todo Brasil no dia 18 de setembro de 2015, protagonizado por Dylan O’Brien (Teen Wolf), dirigido por Wes Ball e continuação do filme “Maze Runner – Correr ou Morrer”, por isso se você ainda não assistiu ao primeiro filme, para imediatamente de ler esta resenha: ela contém SPOILERS! 


Maze Runner – Prova de Fogo” começa exatamente onde “Correr ou Morrer” termina. Com Thomas (Dylan O’Brien) e seus amigos dentro de um helicóptero, aterrissando no deserto, há caminho de um novo “abrigo”. Ainda traumatizados com as surpresas e perdas que aconteceram no labirinto, Thomas, Teresa (Kaya Scodelario), Minho (Ki Hong Lee), Newt (Thomas Sangster) e os outros, terão que passar por um novo desafio: “A Fase Dois”.




Depois que um vírus denominado Fulgor contamina a maioria da população e os jovens são os únicos que não foram afetados, CRUEL (uma organização composta por sobreviventes responsáveis em encontrar a cura para a humanidade) decide usar esses jovens como cobaias, mas Thomas, um jovem esperto, que já fez parte dessa organização e que foi mandado para o labirinto (com a memória apagada) com o motivo de discordar da CRUEL e não acreditar em uma cura permanente, volta a ter vislumbres do seu passado e como que em uma confirmação para tudo o que está acontecendo, ele conhece Aris (Jacob Lofland), um garoto também esperto que fez parte de um outro labirinto e que alerta e decide ajudar Thomas a fugir com os seus amigos para o deserto e não ser mais um na lista de “jovens cobaias” da CRUEL.




O único problema, talvez o maior deles, é que no deserto existem os Cranks; seres humanos infectados com o vírus, que perderam a sanidade e mais parecem zumbis, que correm atrás das poucas pessoas que restaram, com um sentimento de ódio e fome!
Por sorte, antes da fuga, Thomas ouve de Ava Paige (Patricia Clarkson) e Janson (Aidan Gillen) que do outro lado do deserto existe outra organização que socorre jovens que estão em busca de uma nova vida longe da CRUEL e dos Cranks, chamado “O Braço Direito”.
No meio do caminho e de uma forte tempestade, Thomas e os outros entram em um galpão abandonado e conhecem Brenda (Rosa Salazar), uma refugiada que com a ajuda de seu amigo Jorge (Giancarlo Esposito) decide ajudar esse grupo a recomeçar...



Do começo ao fim o filme te prende de uma maneira muito prazerosa. Muitas emoções e surpresa que te fazem pedir pela próxima cena e ansiar pelo próximo filme. Efeitos especiais e um elenco tão talentoso que eu gosto tanto! 
Enfim, um estilo de filme/livro que eu não vivo sem! Distópico, com continuação, que te faz levar sustos, mas que também te traz alegria e, principalmente, faz com que você torça pelos personagens, vibre e comemore com eles. Filmes imprevisíveis, com finais surpreendentes, que valem muito a pena assistir!

Claro, que por ser uma adaptação, muita coisa do filme é diferente do livro. Eu ainda não li os livros então não posso julgar, mas se você já leu e pretende assistir o filme em breve, me conte aqui nos comentários qual a sua opinião sobre a adaptação, mas também não se esqueça de avaliar o filme em si!

Espero que tenha gostado da resenha! Até semana que vem com a próxima. Beijos de luz. Cláudia F.

All Star Azul - Ricardo Mesquita

E se você se apaixonasse por seu melhor amigo, o que faria?


Pois é, nessa história que pra quem vê a capa logo imagina um romance fraquinho, desses da literatura infanto-juvenil, pelo contrário, traz o romance entre Diego e Thiago, mas de forma bem pesada, pelo menos a meu ver, com cenas fortíssimas de sexo, que num primeiro momento cheguei a ficar chocada, talvez por não estar acostumada a esse tipo de literatura. 


Não recomendo aos menores de idade.

Diego, um jovem órfão de mãe, vive com seu pai, sua madrasta (quase invisível na história) e o filho dela Ricardo – um completo idiota que o atormenta sempre que possível. 
Diante a tantas transformações, devido à estar na adolescência, resolve conhecer uma boate gay, afinal, está em dúvidas quanto à sua opção sexual, experiência essa muito bem relatada pelo autor:


“... Senti-me um peixe fora d´água no meio daqueles caras bombados. Vestindo um jeans surrado, All star e camisa azul... estava sendo uma experiência um tanto sinistra... logo na entrada senti um odor forte... Tudo ali pra mim parecia surreal ... “

A partir dessa ida à tal boate, juntamente com seu até então amigo Thiago, ele conhece Felipe. E então, começa a descobrir-se dividido entre uma relação pra lá de instável e cheia de “suspenses”, afinal, Felipe parece sempre tão enigmático e indisposto a confidenciar sua vida à ele, e, Thiago, seu melhor amigo de infância, que vive sempre se escondendo atrás de sua homossexualidade.
É um livro que além das cenas fortes mostra a aceitação ou não das famílias, amigos e sociedade em relação à opção sexual, podendo perfeitamente ser descrito numa frase do próprio livro:

“... o meio social sempre nomeia seus seres. Sei lá, que é para separar, segregar mesmo! Seja por raça, religião, orientação sexual, gênero, condição socioeconômica, até por localização geográfica. Sem querer todo ser que vive em sociedade é identificado com um carimbo na testa.”.

Só acho que se uma pessoa de mente fechada pegar para lê-lo irá se chocar um pouco, por conta de algumas cenas, mas, concordo que seja um livro de combate ao bullying homofóbico, se e somente se bem direcionado.


Eu te amo mais e outros contos – Vanessa Sueroz

Oi gente, hoje trago um livro bem curtinho que pode ser lido rapidinho, até mesmo na filas que estamos tão acostumados a enfrentar (rs).
É um livro com cinco contos (comédia/romance) curtinhos e gostosos de ler, pode tirar uns segundos pra cada um deles que vai gostar bastante.
Confesso que o que mais gostei foi o Eu Te Amo Mais, pois ele traz uma forma diferenciada de pedido de casamento, onde a protagonista usa tópicos a fim de provar que ama mais dentro “daquele” relacionamento, do que seu amado Rodrigo.
No entanto, de maneira romântica e ao mesmo tempo “engraçada”, o Rodrigo resolve ter seu direito de resposta, colocando tópicos e tópicos para provar que seu amor é maior.
E o mais legal de tudo isso, é que a autora coloca pinceladas de cenas do cotidiano, tornando o conto ainda mais real.
O segundo conto Três Botões, narra a história de uma garota que se apaixona mesmo sem vontade pelos botões da camisa de um rapaz, OPSSS!!! Não foi pelos botões, mas sim pelo rapaz que está usando a camisa com três botões.


Os outros contos não deixam a desejar, no entanto os que mais gostei foram esses.

É um livro bem rapidinho pra ler e excelente para descontrair.

Confira Mais (Aqui)

Entrevista - Maísa Evelyn - (Blog Reino Literário)

Oi amorecos, hoje trago a entrevista com uma parceria feita recentemente com a linda da Maisa Evelyn do blog Reino Literário, que vem a cada dia trazendo novidades super legais a respeito do mundo da leitura e dos livros.
Amante dos livros, da leitura e também flamenguista (errei) fluminense nata.

"... (a leitura) desestressa, relaxa e me leva a outros mundos, fazendo-me enxergar a vida de forma melhor...".

Sua primeira leitura sem ser "àquelas por obrigação", foi Crepúsculo.













Para ela, a leitura agrega a quem lê: cultura, informação, encantamento.


"Por vezes, meu mundo desabou, mas a leitura não me fez sucumbir em tristeza. Ler é tão bom que deveria ser um tratamento contra depressão ou coisas assim."
(Mai, já existe um tratamento através dos livros chamado Biblioterapia)


Seu livro favorito é Harry Potter e o Prisioneiro de Askaban, livro este que a fez chorar e sorrir com Harry, além de saber um pouco mais sobre a família do bruxinho e suas origens.



Quando questionada sobre qual personagem gostaria de ser, se pudesse, ficou em dúvida assim como várias pessoas já entrevistadas aqui no blog, mas deu algumas opções como:

Katniss (Jogos Vorazes)

















Eva (Toda Sua)





A blogueira ainda deixou um recadinho para os leitores do Faces de Uma Capa:

"...Estou em meio a uma maratona literária que se chama Bienal do Livro 2015, onde minha vida se resumiu em 3 dias "escrava" da maratona, mas foi prazeroso cada instante, afinal consegui autógrafos em livros de autores incríveis como Megan Maxwell, David Nicholls, Tammy Luciano e outros. Convido todos a acompanhar esta festa lá no meu blog...".

[Por trás da poltrona] - A incrível história de Adaline - Por: Cláudia Ferreira



Olá seguidores do Faces de Uma Capa! Eu sou Cláudia Ferreira e hoje eu vou falar um pouco sobre o filme “A Incrível História de Adaline”. Estreado em maio de 2015 em alguns cinemas brasileiros, protagonizado por Blake Llively e dirigido por Lee Toland Krieger.

O filme conta a história (como o próprio nome já diz) de Adaline Bowman. Uma mulher com mais de 100 anos de idade e experiência, mas com apenas 29 anos de aparência. Após um acidente de carro e quase morte, Adaline parou de envelhecer e passou a presenciar vários acontecimentos marcantes e históricos. Momentos esses que ninguém se encontra vivo para contar... Exceto Adaline. Que com seu rosto e corpo jovem passa a esconder de todos sua verdadeira identidade.




Adaline perdeu entes queridos e sua filha Flemming (Ellen Burstyn) tem mais de sessenta anos. Ela não se relaciona por muito tempo com ninguém e vive se mudando: de casa, emprego, cidade, até muda o próprio nome. 
Depois de muito pesquisar e chegar à conclusão de que cientificamente nada alteraria seu estado “vampira”, Adaline decide seguir em frente e aceitar sua nova vida... Até conhecer Ellis (Michiel Huisman) e sua vida rotineira mudar radicalmente!



Um homem bonito, inteligente e galanteador que se apaixona a primeira vista por Adaline, e em uma festa de réveillon eles se conhecem e Ellis a convida para sair. Depois de alguns encontros e a certeza de que eles se completavam, Ellis convida Adaline para conhecer sua família. O que Adaline não esperava era que o pai de Ellis é nada mais nada menos do que um dos seus antigos namorados, Willian Jones (Harrison Ford).




Será que Adaline conseguirá esconder por muito mais tempo sua verdadeira identidade e história? E será que ela conseguirá finalmente viver feliz com quem ama sem pensar no futuro e fugir mais uma vez do amor?
A Incrível História de Adaline” é um filme romântico, mas também inspirador. Um filme muito bem contado e dirigido. As passagens do tempo e todo o conhecimento que Adaline adquiriu durante esses 100 anos.
A trilha sonora suave e o figurino esplêndido! Toda uma explicação do porque da juventude estendida de Adaline e tudo o que ele teve que passar para manter isso em segredo! Até porque o mundo mudou no último século, Adaline não...



Espero que tenha gostado da resenha. Assista ao filme e me conte o que achou nos comentários. Até semana que vem. 
Beijos de luz. 
Cláudia F.

O segredo de Nina - Marcela Campos

Confesso que desde quando recebi esse livro na caixinha do correio (ZapBook) meio que já fiquei curiosa demais para ler, afinal, muito me interessou sua capa – que pareceu num primeiro momento se tratar realmente de algum segredo, a ser desvendado.
E pra não falar que o livro não supriu minhas expectativas, tiveram algumas coisas que saíram conforme esperado, mas, não posso deixar de mencionar que sinceramente esperava mais da história.


“Depois daquela noite a vida de Nina jamais seria igual...”

Nina, uma garota de sete anos se vê diante a uma porta sozinha, se sentindo abandonada por seus pais, mas leva sempre a esperança de que eles virão te buscar em algum momento, afinal, descobre que essa porta é um orfanato, local este que ela sente-se desprezada a todo o momento.

“Parece que ninguém gosta de mim aqui.
Mas tudo bem por que eu também não quero ficar aqui...”.


E essa vontade só aumenta quando um dos órfãos decide abusar sexualmente dela e como se não bastasse um dos protegidos da casa, que até então era tido por ela como seu “anjo da guarda” resolve abusar dela também. (Michel e Breno com me decepcionei com vocês buáááá).

Na constante busca por saber o que aconteceu com seus pais, ela sai do papel de boa moça e passa a ser a vilã da história, fazendo aflorar os sentimentos mais obscuros que um ser humano pode ter, como o ódio, a ira e a vingança.
E nessa constante busca por seus pais, acaba fazendo amizade com Diana uma órfã que a ajudou descobrir o paradeiro de seus pais, que até então era algo desconhecido pra ela. E quando ela começa a confiar em Diana, recebe a notícia que sua única amiga dentro da casa será adotada.

“E eu que pensei que não podia piorar...”

A partir de então ela começa a “comer o pão que o diabo amassou”, tendo de enfrentar bullying e logo em seguida um senhor (Oscar) dizendo ser seu avô, querendo adotá-la a qualquer custo.

A partir disso, sua vida passa a tomar novos rumos, e o desespero e medo ao desconhecido, fazem com que ela aproveite esse espaço que lhe é dado por Oscar e começa ir atrás de sua verdadeira história de vida, mas não imagina que o que está por vir poderia ser ainda pior do que a ideia de seus pais terem lhe abandonado, ou do conteúdo encontrado numa mochila dentro de sua antiga casa.

Uma história de superação, auto aceitação e das várias voltas que a vida pode dar na vida de um ser humano. Fazendo qualquer leitor refletir por um momento que seja, sobre a importância de ter em quem confiar. 

[Estranho Mundo das Séries] - American Horror Story: Asylum - Por: Lucas Ferrarezi


Você teria coragem de visitar um lugar mal assombrado? Conhecer diversos lugares assombrados e assustadores que possuem diversas histórias macabras e sinistras? 

E um sanatório, onde abrigava todo o tipo de pessoas com distúrbios mentais e até assassinos, um lugar repleto de mistérios e mortes sem solução, que foi fechado por ser um extremamente perigoso, essa é a Mansão Briarcliff. Assim começa a 2º temporada de American Horror Story: Asylum.

O começo da segunda temporada acontece nos dias de hoje, mostra um casal em lua de mel que resolve desbravar os lugares mal assombrados em busca de “diversão”. Em meio aos escombros e destroços do antigo sanatório de Briacliff, o casal se diverte tirando foto e lendo historias sobre o lugar. Mas tem algo estranho nisso tudo, mesmo assim o casal continua explorando o lugar, quando algo terrível acontece, mas já é tarde demais para eles perceberem...






De volta a 1964, o jovem Kit Walker após um logo dia de trabalho no posto de gasolina, fecha ao estabelecimento, mas acaba sendo surpreendido pela visita de alguns “amigos”, eles pretendem usar a arma que Kit para resolver “problemas”. Kit dispensa e não deixa que eles levem arma, mas eles o ameaçam, ele e a sua “esposa”. Ao voltar para casa Kit, onde encontra sua esposa Alma, fazendo o jantar para eles, conturbado algo estranho acontece e Kit pensou que seria o pessoal que o ameaçou, mas é algo diferente que não é desse mundo. Depois um incidente misterioso onde Kit diz que sua esposa foi abduzida por alienígenas, ele passa a ser acusado do assassinato brutal de sua esposa e de outras mulheres, os corpos encontrados estavam sem a pele e a cabeça, onde ele ganhou outro nome por esses crimes, Cara Sangrenta.Com esse histórico de homicídios, Kit é transferido para sanatório de Briacliff, onde espera seu julgamento, do qual o psiquiatra Oliver Thredson, irar dar o parecer se ele vai passar o resto da vida no sanatório ou irar para a cadeira elétrica.



Ao descobrir que o “Cara Sangrenta” está na mansão de Briacliff, a jornalista Lana Wiltiers não perde a oportunidade de lhe entrevistar, conseguindo o maior furo de sua carreira, para isso ela convence a irmã Jude Martin, responsável pelo sanatório que ela está indo em busca de uma matéria sobre o pão fabricado por ela, sem desconfiar de nada a irmã aceita a oferta. Mas sua chegada é bastante conturbada, pois ao entrar na sala da irmã Jude, depara com ela “punido” uma paciente, raspando a lateral do cabelo dela. Ao começar a entrevistar a irmã, Lana escapa que está mais interessada no novo paciente do sanatório, aborrecida à irmã expulsa a jornalista, sem deixar com que ela realize a sua entrevista. Lana percebe o quanto o local é estranho e perturbador, mas não desiste de sua matéria, ela retorna a noite a fim de conseguir a sua entrevista, mas algo dá errado... E quando ela acorda está amarrada numa cama dentro do sanatório com a irmã informando que agora ela vai ficar lá até que ela seja “curada”.



Dentre muitos outros personagens cada um com a sua história, mas todos muito misteriosos, a série sege desenrolando e mostrando o “passado” de cada um e deixando você cada vez mais curioso pra saber o que vai acontecer ou o que aconteceu mesmo com cada um personagem, será que podemos confiar neles, nas histórias que eles contam, é isso que American Horror Story: Asylum, ira causar em você...



Dentre a primeira e a segunda temporada, a segunda é bem mais macabra, assustadora e aterrorizante com toda certeza, cada episodio que se passam mais dramas, suspense e muito mistério é lançado ao espectador. Com cenas bastante forte, de sexo, violência não aconselho para todo mundo, tem que ter um estomago forte para assistir a série.

Essa temporada foi igual à primeira, assisti num piscar de olhos, um episódio atrás do outro, tudo graças ao Netflix. E uma série bastante viciante por conta de tantos mistérios que estão envolvidos no enredo, uma trama que te faz perder a respiração a cada segundo, já sou faz de AHS, espero que vocês também se tornem.


Os que acharam da resenha, se curtiram comenta aqui embaixo e não esquece de compartilhar. Até mais...
Lucas F.

Entrevista - Rita de Cassia - 45 anos (autora)

Oi amorecos,


Hoje trago a entrevista feita com Rita de Cássia, 45 anos e autora do livro Enigma, resenhado (aqui).
Apaixonada por leitura, a autora declara ser fã de vários gêneros literários, dentre eles, suspense, romances e fantasias (isso é perceptível ao menos na sua maneira de escrever).


Sua primeira leitura ela não lembra exatamente qual foi, mas, recorda-se ter começado pelos livros do Monteiro Lobato - A chave do tamanho, Narizinho..., entre outros, em seguida partiu para a coleção Vagalume.


"... A leitura traz todo tipo de benefício. Desde conhecimento na escrita, 
até conhecimento de mundo...".


Sua leitura atual é o livro "Memorial do Convento - José Saramago", e a autora confirma que Saramago em seus livros e nesse também, mistura a história de Portugal com a ficção, ela menciona ainda se identificar com as ideias do autor.




No que se refere ao seu livro preferido, ela cita o "Morro dos ventos uivantes - Emily Bronte" e declara que um de seus filhos tem o nome de um dos personagens do livro.




Se ela pudesse escolher uma personagem para ser, seria uma dessas "feiticeiras vilãs" das histórias, "adoro vilãs, principalmente as inteligentes...".








Palavras da Autora sobre seu livro: Enigma

Enigma surgiu após muitos diálogos e trocas de ideias com minha família que me deu total apoio pra levar a ideia adiante. Primeiramente, eu quis criar um mundo de possibilidades com personagens que conhecem o poder do pensamento e a força do amo. E um personagem que apesar de total ignorância a respeito de tudo, consegue evoluir e acompanhar essas pessoas evoluídas intelectualmente a partir do amor.
Tentei passar para às pessoas que qualquer um pode mudar, pode evoluir como Ser Humano. Só depende do meio em que ele está inserido e as oportunidades que lhe forem dadas.
Sim, teremos o segundo livro e o terceiro livro!!!
"Enigma e o Salvador de Mundos" e "A extinção".

Convido à todos que quiserem, curtir a página do Facebook de Enigma (aqui).

[Por Trás da Poltrona] - De repente é amor - Por: Claudia Ferreira

Olá seguidores do Faces de Uma capa! Eu sou Cláudia Ferreira e hoje eu vou falar um pouco sobre o filme “De Repente é Amor”. Estrelado por Ashton Kutcher e Amanda Peet, dirigido por Nigel Cole e o meu preferido do gênero comédia romântica.

 “De Repente é Amor” conta a história de Oliver (Ashton Kutcher), um jovem desengonçado que está prestes a pegar um avião para Califórnia. Nesse mesmo aeroporto e por obra do destino nesse mesmo voo, Emilly Friehl, uma jovem explosiva e independente se interessa por Oliver, e não só durante a viagem, mas também na cidade de Nova York, eles ficam juntos e descobrem, apesar das diferenças, ter uma química incrível e um humor compatível.

Passam o dia juntos e antes de seguirem seus caminhos, Oliver promete a Emily que daqui a seis anos ele estará rico, casado, com um carro na garagem e uma casa própria, e é a partir dessa promessa que o desenrolar dessa história linda e divertida começa.


Dois anos se passam e Emily, agora uma mulher, acaba de levar um pé na bunda de seu, agora ex-noivo, Peter (Gabriel Mann). 
Não querendo demostrar para suas melhores amigas sua infelicidade, Emily pega sua agenda e resolve ligar para todos os homens com quem já teve um caso, ligações essas que a fazem encontrar o número de Oliver. Emily toma coragem, liga para Oliver e eles decidem se encontrar.



O envolvimento e a intimidade entre eles são tão grandes que não parece que se passaram dois anos que eles não se viam ou conversavam, mas sim, apena um dia.
O único problema é que nesse reencontro tão bom e inesquecível para os dois, nunca esteve tão perto de acabar, já que Oliver parte rumo a uma viagem de negócios no dia seguinte. E é durante todo esse encontro e desencontro que a mesma Emilly independente descobre estar apaixonada pelo mesmo Oliver desengonçado... “Bem quando eu começava a gostar de você, você vai embora”.



Circunstâncias profissionais ou até mesmo amorosas que o fazem (e nos fazem) pensar o quanto destino nos prega peças inimagináveis... Boas para viver, e ruins para aprender!

Um filme que fala de amor de um jeito único e engraçado. Diálogos muito bem desenvolvidos e uma trilha sonora impecável (uma das minhas preferidas), com músicas como: Look What You’ve Done e Brighter Than Sunshine, que você ouve a primeira vez e não tem mais vontade de parar!

Assistam ao filme e depois me contem nos comentários o que acharam! Espero que tenham gostado da resenha. Até semana que vem. Beijo

[TAG] - #De Tudo Um Pouco

Oi gente, que bom que hoje é quinta e amanhã já é sexta (uhulll). Fui "convidada" a participar da Tag (amooo quando isso acontece) De Tudo Um Pouco, e então aceitei o convite feito pelo blog Gatita e Cia.



Regras:
Responder às perguntas;
- Indicar , no mínimo 11 blogs à participar da tag;
- Colocar o selo da tag no post;
- Linkar quem te indicou.


Tá fácil então!!!! Bora para as perguntas:

1 - Qual seu estilo de música preferido?


Sou megaaaa eclética, afinal ouço desde os modões antigos até algo mais atual. Mas para quem me conhece, sabe que sou megaaa ultraaa power fã da cantora Paula Fernandes s2 a ponto de ir aos shows dela, tietar muitooo e chorar só de vê-la lá no palco, além dela, tem alguns cantores e grupos que estou ouvindo muito ultimamente como:

Hannah Quaresma (Mulheres que Brilham SBT)

Boyce Avenue (conheci pelo Youtube caçando)




2 - Qual sua peça de roupa preferida?

No quesito roupa sou também eclética, procuro me vestir com roupas confortáveis e de acordo com o ambiente que estou, massssss, confesso que curto um ladinho "piriguete" rsrsrs.

3 - Qual dos seus esmaltes são os mais divos?

Então, tenho um leve "probleminha" que estou tentando controlar (roer unhas), mas adoro esmaltes coloridos e alegres.


4 - Short´s ou Saia?

Depende da ocasião.

5 - Cabelo liso ou enrolado?


Depende da pessoa e de seu estilo, afinal, ambos os tipos de cabelos ficam bons em várias pessoas, usarei como exemplo minha musa é claroooo. Conhecida também por suas madeixas enroladas que chamam a atenção por onde quer que vá, mas quando alisa continua linda!!!
Mas por praticidade para o dia a dia corrido, prefiro o meu liso.


6 - Brigadeiro ou sorvete?

Pode ser brigadeiro com sorvete?!

7 - Doce ou salgado?

Sou pior que a Magali... adorooo os doisss...

8 - Como você define o seu estilo?

Tenho meu estilo próprio, mas sempre de olho nas tendências! Inclusive gostaria de convidá-los a conhecer meu mais novo blog Bibliotecárias Descoladas.

9 - Você é do tipo mulher consumista ou só compra o básico?

Já fui consumista, mas agora sou mais controlada... Agora, confesso que quando entro numa livraria se não me controlar... perco as estribeiras rsrsrs. Tipo a Bela... logo abaixo!



10 - Considera-se vaidosa?

Sou vaidosa sim, mas tem dias que sou daquelas que se pudesse saia de pijama  rsrsrs!!!

Blog´s indicados:

[Estranho Mundo das Séries] - American Horror Story: Muder House - Por: Lucas Ferrarezi

Uma casa antiga já é assustadora, além de sua aparência macabra, paredes descascando, mobilha cheia de pó ainda possui aqueles pisos de madeira que ranjem a cada passo que você dá, suas portas com dobradiças enferrujadas que sempre fazem barulho tenebroso... Se isso já foi o bastante para te assustar agora imagina uma casa que foi local de assassinatos, dá calafrio só de pensar, mas é essa é a história que envolve a primeira temporada de American Horror Story: Murder House.

O começo do primeiro episódio, somos transportados para 1978, onde dois pré-adolescentes gêmeos invadem a casa abandonada e começam vandalizar o local e quando estão a explorar o porão da casa, acabam sendo atacados por uma criatura sobrenatural.



Agora nos dias atuais Vivian, após uma consulta médica, retorna para sua casa e escuta barulhos na casa, como está sozinha chama a policia e decide ver de onde vêm os barulhos com uma faca. E acaba descobrindo que os barulhos são do seu marido Bem, que está traindo-a na sua própria casa, com sua aluna.
Após 6 meses do ocorrido Ben, Vivian e Violet a filha deles estão mudando de cidade, tentando recomeçar uma vida nova nessa nova cidade e na nova casa. Uma casa clássica, construída por volta de 1930, toda reformada e redecorada pelos seus antigos moradores que morreram na casa.




Eles acabam ficando na casa apesar de tudo, e tentam se adaptar à nova vida. Violet acaba se desentendendo com o pessoal da escola, por seu estilo um tanto diferente, já Vivian que está arrumando a casa do seu jeito, se depara com uma menina com síndrome de Down a observando e dizendo que ela vai morrer na casa logo em seguida a sua mãe Constance, sua nova vizinha; vem atrás da filha, e dá “boas vindas” a nova família presenteando com salvia, para ela limpar a os maus espíritos, ela parece saber muito sobre aquela casa. O Ben, como é psiquiatra começa a atender pessoas em sua casa e seu primeiro paciente Tate, um jovem que tem fantasias de matar pessoas, e parece bem afetado psicologicamente.




Com tudo isso, coisas estranhas começam a acontecer na casa: uma antiga empregada aparece na casa oferecendo seu serviços, mostrando que ela conhece aquela casa a anos, mas ela tem uma “dupla identidade” para Vivian ela é uma senhora, mas para o seu marido ela é uma jovem bastante atraente. Não param por aí os fatos estranhos, Ben começa a ter sonambulismo; as portas e armários se abrem sozinhos; a empregada fica provocando ele; um cara estanho começa a perseguir ele... Isso é só o começo, e há muito a ser revelado sobre aquela casa, uma coisa eu posso adiantar outras mortes estão por vir...

American Horror Story foi produzida/criada por Brad Falchuk e Ryan Murphy, tendo sua 1º temporada lançada em 2011. Atualmente está na sua 4º temporada, cada temporada conta com cerca de 13 episódios, com uma duração de 42 minutos cada.
Sempre quis assistir essa série, mas nunca tive tempo (e coragem kkk) de assistir, não sou muito fã de filmes/séries de terror ou suspense, ainda mais quando envolve fatos reais e espíritos. Mas meus amigos e a minha curiosidade me venceram, resolvi então assistir pra saber como seria; comecei a assistir nesse domingo e não conseguir parar mais de ver os episódios, a série é “terrivelmente” viciante, quando me dei conta já tinha terminado a primeira temporada em um único dia.

A série é uma mistura de terror, suspense, drama com temas sobrenaturais e bizarros, e nessa temporada especialmente contém muitas histórias horripilantes de fantasmas, assassinatos e mortes. Além disso, é uma série bastante forte com cenas de sexo e uma linguagem mais agressiva, não é uma série para qualquer pessoa.



Se você gostou da resenha ou vai assistir a série comenta e compartilha. 
Até a próxima pessoal, nos vemos em breve.