Violetas ao Vento - Jéssica de Paula

Amorecos lindosss... sei que estou sumida, por conta das férias, mas prometo que trarei muitas resenhas e matérias legais como recompensa!!! Além disso, temos as resenhas dos maravilindos parceiros Lucas, Cláudia, e os textos extras do Aparecido Raimundo que espero que estejam curtindo!!!

Bom, hoje trouxe a resenha de um livro pra lá de fofo, que apesar de ser direcionado como literatura juvenil, traz uma bagagem enorme de lições de vida.

Violetas ao vento da Jéssica de Paula já teve uma semana inteirinha aqui no Faces, se quiserem é só colocar na busca e ler as matérias.
Esse livro está no Wattpad e pode é composto de capítulos super curtinhos e gostosos de ler.

Conta a história de Violeta uma menina de energia boa, sempre de bem com a vida mesmo diante aos problemas que cercam sua família, como violência doméstica, agressividade e submissão por parte de sua mãe.

“... Um pai extremamente machista e violento, uma mãe submissa e um irmão totalmente omisso... “

E como forma de refúgio à essas brigas, ela tinha os livros, seu amado fone de ouvido, sua gatinha mel (mais que uma amiga, uma ouvinte) e seus amigos, que sempre estavam do seu lado.

Sua mãe sofria na mão do seu pai, totalmente agressivo e estúpido (que ódio dele arghhhh):


“... para mim ele não passava de um monstro sem sentimentos...
Ele não media a força que usava conosco...”

Até que no dia de seu aniversário por contas de acontecimentos, ela passa o começo do dia sozinha, apagando velinhas de aniversário imaginárias feitas na areia da praia, e nesse mesmo dia prometeu pra ela mesma que a partir daqueles acontecimentos, tudo seria diferente.



Nesse mesmo dia ela recebe de sua amiga Thamires um livro “A mensageira das violetas – Florberta Espanca” e um par de patins de seu “amigo” Ricardo, presentes tão diferentes mais capazes de trazer sensações muito similares, como a liberdade e a possibilidade de sentir como se estivesse viajando, ou quem sabe flutuando.

 
Sua mãe foi um dia pianista, dessas de ganhar troféus e tudo, e escondia-os junto com o piano num “cômodo proibido”, que sempre que possível ela entrava escondido da mãe para olhar, e recordar momentos de sua mãe que não vê mais, momentos felizes, até o momento em que foi pega pela mãe, que a puniu por entrar no tal cômodo.

“... Eu tinha saudades daquela mulher sorridente... 
O que aconteceu com ela?... Quero-a de volta...”

Ela passa por problemas e mais problemas, e como se não bastasse, o amor de sua vida aparece com uma namorada (confesso que nesse momento do livro quase morri junto com ela, afinal, tem horas em que sentimos exatamente o que ela sentiu, como se o mundo fosse desabar sobre nossas cabeças). Tais problemas, fizeram-na deixar um pouco de lado os problemas de sua família, ou ao menos tentar.

“... Meu coração estava despedaçado...a partir daquele dia, eu me fecharia, não permitiria mais ser atingida pelos problemas daquela família desestruturada...”

E como se não bastasse, para sua surpresa, sua melhor amiga começa a “flertar” com seu irmão que age da mesma maneira agressiva que seu pai, e ela, ainda à orienta a nem pensar em ter algo com ele, afinal, irá sofrer, só que ela se faz de desentendida e ela descobre mais coisas sobre seu pai, que nem mesmo acreditava.
E como se não bastasse esse monte de problemas, aparecem outros, piores ainda, como um possível novo amor, doença na família e a dúvida de como agir diante a tantos problemas.

Entre altos e baixos, Violeta mostra como superar as dificuldades por mais difíceis que possam ser, e nos deixa uma lição de vida, afinal violetas são tão delicadas e frágeis e eram utilizadas pelos atenienses para moderar a ira, além de serem utilizadas para tratamento de feridas, talvez por isso a escolha do nome da personagem.

Prometo trazer mais informações da autora pra vocês!!!

2 comentários :

  1. Que lindo *-*

    Obrigada pela resenha. Fico muito feliz por saber que você gostou tanto da história da Violeta.

    bjuuss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos seus livros eu amo... mas Violeta tem algo diferencial!

      Excluir

Deixe seu comentário