[KurioZidades] - As castas e a história das fotografias coloridas - Por: Aparecido Raimundo

Oi gente mais linda, hoje trazemos mais uma coluna super interessante pra vocês, a coluna KurioZidades do escritor Aparecido Raimundo de Souza. Serão publicados quinzenalmente textos em forma de pergunta e resposta sobre diversas curiosidades, que giram em nossa mente, mas não vamos a fundo para saber a resposta, e o Aparecido nos traz tais respostas de forma agradável e gostosa de ler, tão gostosa, que 50 de seus textos de curiosidade serão publicados ainda esse ano em um livro. Lembrando que nem sempre serão sobre livros, afinal, é uma coluna pra distrair um pouquinho a mente. Espero que gostem.

Das castas à história da fotografia!

Gif

Você já parou pra pensar como funcionam as castas das abelhas?









Diferente de outros animais domésticos, entre os quais se distinguem apenas macho e fêmea, as abelhas incluem três tipos de indivíduos: rainhas, operárias e zangões, ou machos. Tanto as rainhas constituem a casta fértil como as operárias; todavia, as operárias, são estéreis, enquanto as rainhas constituem a casta fértil, cuja única função é pôr ovos. Em épocas de muito néctar e pólen, uma rainha de abelha africana chega a por 5 mil ovos diários. Quando há poucas flores, a postura se reduz a 100 ou 200 ovos por dia. A casta mais numerosa é constituída pelas operárias que são fêmeas pequenas, com desenvolvimento incompleto do aparelho reprodutor, extremamente laboriosas, responsáveis por todos os trabalhos executados na colmeia. Os zangões, após alguns dias de vida, voam ao redor da colmeia diariamente, durante algumas horas, aguardando a oportunidade de executar sua função, que é fecundar a rainha. 

E a história da fotografia coloridas, já pensou como elas surgiram? 


O primeiro processo industrial de produção de fotografias coloridas, o autochrome lumière, surgiu em 1907. Usava fécula de batata previamente tingida e cuidadosamente distribuia sobre a placa de vidro, veio amplamente difundido até 1932. três anos depois, aparecia o Kadachrome, precursor de modernos coloridos, concebido por Leopold Manner e Leopold Godowsky (...) em 1941, a Kodak introduziu o processo negativo-positivo com o Kodacolor. Esse sistema permitia fazer muitas cópias coloridas, em papel de uma mesma chapa. Em 1947, apareceu o ektacolor, colocando a imagem colorida ao alcance de qualquer pessoa que apreciasse a arte da fotografia. Esse sistema foi aperfeiçoado e perdura até nossos dias. 

1 comentários :

  1. Algumas palavras à “FACES DE UMA CAPA” E SUA CRIADORA.

    Fiquei deveras feliz em saber que a Graziele Moraes publicou meus textos e continuará a mostra-los, quinzenalmente, em seu Blog “FACES DE UMA CAPA”. Isso me lisonjeia, sobremaneira, porque não há nada melhor e mais edificante para um autor, do que ver seus textos espalhados mundo afora. Não importa o modo, ou o artifício empregado. O que conta e faz a diferença, é o fim. Se a todo aquele que cultiva a arte (não importa o segmento) fosse dado um grito de alerta, um simples “alô”, para que viesse somar e fazer parte desse canal de proximidade com um número expressivo de leitores, com certeza, uma gama enorme de emergentes, como eu, teria a chance de levar ao grande público, não só levar, igualmente mostrar seus trabalhos, expandir horizontes, ai incluindo seus feitos, suas crônicas, frases, poesias enfim, mil outros mecanismos de criatividades e expressões surgiriam da noite para o dia. Devemos ter em conta que num país, onde se propaga, a olhos vistos, a imbecilidade humana e a cultura, de um modo geral, mal sobrevive, ou dito de outra maneira, capenga, de pires nas mãos, érlica as portas da UTI -, não fosse a brilhante iniciativa dessa mocinha simpática de sorriso lindo e carismático -, muitos autores e seus excelentes livros permaneceriam esquecidos no anonimato.
    De parabéns, pois, a Graziele pela iniciativa do Blog, não só por ele, pela chance que oferece aos sonhadores (todos os escritores são sonhadores e inventores de quimeras), bem ainda pela canja, em publicar meus humildes textos. Com eles, eu ganho publicidade, verdade seja dita; todavia, o público, leva a melhor parte: a síndia mais pura do conhecimento.
    (Aparecido Raimundo de Souza).

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário