[Estranho Mundo das Séries] -The Carrie Diaries - Por: Cláudia Ferreira

Olá seguidores do Faces de Uma Capa!
Sou Cláudia Ferreira e hoje vou falar um pouco sobre a série juvenil The Carrie Diaries”. Baseada no livro homônimo, de Candace Busfnell e na série de dez anos atrás “Sex And City”.

No ano de 1984, Carrie Bradshaw (AnnaSophia Robb), uma garota de 16 anos, que mora em Connecticut e acaba de perder a mãe, passa a viver com a irmã mais nova e rebelde, Dorritt (Stefania Owen) e o pai preocupado e assustado, Tom (Matt Letscher). Carrie, além de ter que lidar com o trauma que foi perder a mãe há pouco mais de três meses, enfrenta no dia-a-dia os mesmos problemas de uma garota de 16 anos; um deles é Sebastian Kydd (Austin Butler), um garoto alto e muito atraente, por quem Carrie já se envolveu e que volta de seu intercambio e começa a estudar na mesma escola que ela, fazendo com que seus sentimentos do passado voltem à tona.

Apesar de sentir o mesmo, Sebastian acaba guardando esse sentimento, dando a oportunidade para a maior rival de Carrie, Donna Ladonna (Chloe Bridges) fazer de tudo para ficar com Sebastian. Sorte que Carrie conta com seus fiéis e inseparáveis amigos: Maggie Landers (Katie Findlay), Jill Thompson (Ellen Wong) e Walt Reynolds (Brendan Dooling). E uma oportunidade de estágio de advocacia, que surge na cidade de Nova York/Manhattan. Lugar em que Carrie sonha em ser uma escritora famosa.
Depois que Larissa Loughton (Freema Agyeman), da revista Interview, se apaixona pela bolsa customizada de Carrie, que era da sua mãe, e a bolsa aparece na revista, Carrie passa a ser o braço direito de Larissa e conhece a maioria de seus amigos influentes do mundo da moda. Mostrando seu dom para a escrita e ganhando a confiança e admiração de Larissa e um estágio na revista. A partir daí Carrie se vê em uma vida dupla. A de festas, entrevistas, pessoas famosas e mais um monte de coisas que ela sempre sonhou pra si, ou a do escritório, processos, documentos, uma supervisora chata e mais um monte de coisas que o seu pai sonhou pra ela. Basta saber com qual dos dois mundos Carrie irá ficar...





"The Carrie Diaries”, uma série que eu amei assistir na minha adolescência, pois foi a partir dela que me veio o impulso que faltava para querer cursar Jornalismo. A revista Interview com toda aquela agitação, novos projetos, tendências, pessoas com estilos diferentes, mas com um mesmo ideal, me fizeram acreditar que era isso o que eu queria pra mim. Planejar, desenvolver e produzir algo diferenciado que as pessoas gostassem de olhar, e principalmente, ler.
Uma série que não aborda somente os problemas e a busca de um sonho de uma garota de 16 anos, mas também a descoberta da opção sexual, a coragem para enfrentar o mundo a sua volta, o medo, a insegurança, a independência, a liberdade e a vida, como ela era em 1984. As roupas, os acessórios, os romances “água com açúcar”, as músicas, os lugares, o jeito de falar... Tudo diferente, mas nem por isso, incrível!
A série, infelizmente, foi cancelada na sua segunda temporada, por baixa audiência, onde passava no canal Boomerang e originalmente na The CW. A segunda série que eu acompanhei depois de Hellcats (resenha da semana passada) e que agora eu estou indicando para vocês!



Não se esqueça de assistir e me contar o que achou! Espero que tenha gostado da resenha. Até a próxima. Beijos de luz. Cláudia F.

2 comentários :

  1. Claudinha linda!!!
    Amando suas resenhas!!!
    Com toda certeza vou assistir, estou curiosa!

    ResponderExcluir
  2. Que bom, Grazi! Eu também adoro suas resenhas e entrevistas! E assiste sim, você vai gostar bastante! Bjos.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário