[Por Trás da Poltrona] - O Preço do Amanhã - Por: Cláudia Ferreira

Olá seguidores do Faces de Uma Capa

Olá seguidores do Faces de Uma Capa! Eu sou Cláudia Ferreira e hoje eu vou falar um pouco sobre o filme de ficção cientifica “O Preço do Amanhã”. Estrelado por Justin Timberlake (lindo!) e Amanda Seyfried (poderosa!), dirigido por Andrew Niccol e estreado no Brasil em novembro de 2011.
Em “O Preço do Amanhã”, um novo mundo lhe espera, onde as pessoas foram desenvolvidas geneticamente para parar de envelhecer aos 25 anos, e com apenas mais um ano, morrer. A não ser que se consiga mais tempo. O tempo é a moeda agora. Eles ganham e gastam. Os ricos podem viver por muito tempo e os pobres só querem saber de acordar com mais tempo na mão do que as horas do dia.

Will Salas (Justin Timberlake) é um jovem operário de periferia que se mostra muito incomodado com o sistema opressor que o seu mundo se encontra, com toda a desigualdade de classes e exploração contínua. Depois de um dia mal recompensado no trabalho, Will conhece o magnata Henry Hamilton (Matthew Bomer) em um bar, e ao descobrir que o mesmo tem um século, Will o ajuda a se livrar dos gangsteres que querem roubar seu tempo e acabar com a sua vida. Eles conseguem e resolvem passar a noite em um galpão abandonado. Durante esse tempo Will questiona Henry do porque da exibição de todo o seu tempo em um bairro pobre, onde as pessoas fazem de tudo para sobreviver. Henry não hesita em responder. Ele está cansado. Já tem 105 anos e quer morrer. Na manhã seguinte Will acorda e percebe que está sozinho, com mais um século de vida. Henry decidiu lhe “doar” todo esse tempo para poder morrer em paz. 



A partir daí Will não tem mais motivos para permanecer no Gueto e segue rumo a Greenwich, a parte rica da cidade, quando conhece Sylvia Weis (Amanda Seyfried), uma jovem rica, filha de Philippe Weis (Vincent Kartheiser), um empresário famoso por seus muitos negócios. Sylvia convida Will para uma festa em sua mansão depois que ele vence seu pai no pôquer, mas nada sai como o planejado, pois os ‘Guardiões do Tempo’ invadem a festa para capturar Will, acreditando que ele roubou e assassinou Henry.
Para se salvar, Will acaba levando Sylvia com ele, sua nova parceira na busca pela liberdade e justiça: de aumentar o tempo de vida das pessoas pobres e diminuir o tempo de vida das pessoas ricas, tornando o mundo menos desigual, onde todos possam viver o suficiente, nem de mais e nem de menos.
Durante o caminho Sylvia e Will farão muitas descobertas e enfrentarão muitos problemas: Raymond Leon (Cilian Murphy), um dos Guardiões do Tempo, Fortis (Alex Pettyfer), o líder dos gangsteres e, principalmente, a falta de tempo!

O “Preço do Amanhã” foi um filme que eu gostei bastante a primeira vez que assisti, pois tem uma pegada distópica, que ao mesmo tempo mostra uma realidade paralela com o mundo real que vivemos hoje: a busca constante por dinheiro, a correria do dia-a-dia, e especialmente, a desigualdade social!

As cenas de tensão do filme foram peças chaves para o desenrolar da história. A luta permanente dos personagens principais, que também formam um casal forte, que se entendem, apesar das diferenças, foi algo que deu certo e não tornou a trama repetitiva ou sem sentido. Ir direto ao ponto, sem explicar detalhadamente como ou quando aconteceu, também foram pontos positivos. O Will poderia ter sido mais explorado e o desfecho mais elaborado.

2 comentários :

Deixe seu comentário