Um amor para recordar - Nicholas Sparks

O que você faria se se apaixonasse pela menina mais "zombada" da escola, e quando revelasse seu amor, descobrisse que não poderia ficar com ela pra vida toda por motivo de doença?

Pois  é, Nicholas Sparks, com mais uma obra comovente que prende o leitor do início ao fim.

Landon (personagem principal) vivia recusando Jamie por ser uma menina que todos da escola tinham-na como a "esquisita", até que um dia é convidado à participar de uma peça de Teatro na qual Jamie era a responsável, a partir daí ele começa enchergá-la com outros olhos, só que o que ele não sabe é que quando descobrisse que ela era o amor de sua vida, poderia ser tarde demais!!!

O livro menciona por diversar vezes a bíblia - já que Jamie vem de família religiosa... tem uma citação da bíblia muito linda no livro que faz com que o leitor fixe ainda mais na cabeça do quão importante é o AMOR!!!


"O amor é paciente e bondoso. Não é invejoso, nem orgulhoso; não é arrogante, nem grosseiro. O amor não exige que se faça o que ele quer. Não é irritadiço e dificilmente suspeita do mal que os outros lhe possam fazer. Nunca fica satisfeito com a injustiça, mas alegra-se com a verdade.
O amor nunca desiste, nunca perde a fé, tem sempre esperança e persevera em todas as circunstâncias"

À primeira vista – Nicholas Sparks

O livro começa com a seguinte pergunta: Será que é possível amar alguém a primeira vista?
Qual de nós já não nos fizemos essa pergunta, nem que seja uma única vez na vida. Principalmente na adolescência fase em que estamos descobrindo as coisas da vida, e que normalmente achamos que estamos apaixonados por esse ou por aquele.
Pois é, assim é essa história de Nicholas Sparks – um livro que mostra ao leitor que existe sim o “amor a primeira vista”.
Jeremy (personagem principal) um colunista bem sucedido; Lexie (bibliotecária e àquela por quem Jeremy se apaixona perdidamente a ponto de querer se casar e mudar toda sua vida – desde o lugar onde mora, até suas rotinas) – PARA TUDOOO.... BIBLIOTECÁRIA (Sim existe uma bibliotecária na história de Nickolas... e isso me deixou como leitora e bibliotecária muito feliz... tendo em vista que essa é uma profissão que normalmente é deixada de lado).
O que Jeremy se quer imaginava é que passaria por desconfianças, desavenças, dúvidas e momentos de muita tristeza nesse relacionamento, mas momentos esses que o tornariam um excelente homem, e mais do que isso um excelente pai.
É esse livro, não diferente dos outros do Nicholas, é muito bom, tirou minha impressão de que o autor se baseia num mesmo enredo para escrever suas obras, já que é totalmente diferente dos que já li dele e mencionei aqui no blog.
É um livro para colocar o leitor a pensar muitas coisas, além disso, excelente para ajudar nos casamentos que hoje são cada vez menos duradouros, já que tem uma personagem Doris (vó de Lexie) que dá vários conselhos ao casal devido aos tantos problemas que passam, dentre elas algumas achei bem legal:
... Em meio às dificuldades do casamento é preciso lembrar sempre - porque se apaixonaram... Casamento significa formar um time... Por isso é preciso encontrar uma maneira de resolver as questões... Entenda que o outro tem necessidades assim como você também tem...
Além disso, o livro traz a tona a questão da confiança entre um ser e outro... já que Jeremy durante todo o livro fica na indecisão de confia ou não em Lexie... Se pararmos par analisar hoje essa questão é muito forte entre os casais, ainda mais da invenção de redes sociais super tecnológicas que permitem ao usuário uma interação muito maior com o outro(a).
Voltando ao livro... Tem um final esplendoroso... Que faz o leitor refletir muito, o que é o amor verdadeiro, e até onde estamos dispostos a chegar por conta do amor... E mais, o que a ciência não explica você acredita???
E você acredita em amor a primeira vista??? COMENTA AI!!!

Querido John – Nicholas Sparks


Um livro, assim como o “A ultima música” muito bom, e cheio de emoções.
O que foi possível perceber é que o autor escreve seus livros na mesma linhagem e ainda menciona muitas coisas parecidas como passar as férias em algum lugar, cartas, doenças... mantendo muitas coisas em comum entre um livro e outro, mas ao mesmo tempo tem sempre uma novidade escondida nas entrelinhas de suas histórias fazendo com que o leitor fique instigado à ir até o fim da leitura para poder apreciar o segredo existente em sua obra.

John (personagem principal) um jovem do exército, que está em constante estado de escolha após conhecer Savannah (amor de sua vida) – além de depois de conhece-la, estar em constante estado de descobertas, sendo o estado de saúde de seu pai, até o quanto é importante ter uma mulher em sua vida – coisa que ele negava todas às vezes aos amigos do batalhão.

O que falar de John “... vive por suas próprias regras e nem sempre se importa com o que as pessoas pensam... orgulhoso do que faz...” (trecho tirado do livro quando Savannah traduz as tatuagens de John – além de uma personalidade muito forte na adolescência que o fez ir para o exército e mudar de vida definitivamente.

O primeiro beijo entre John e Savannah foi algo emocionante, fazendo John descrevê-lo da seguinte maneira: “... poderia viver cem anos e visitar o mundo todo e nada se compararia ao momento único em que beijei a mulher dos meus sonhos e soube que o amor duraria para sempre...”.

Achei muitíssimo interessante a explicação que o autor dá ao autismo e ao aspenger, devido ao fato de o pai de John – ser diagnosticado por Savannah com uma dessas doenças:  “Autismo: a pessoa vive em seu próprio mundo; Aspenger: a pessoa vive em nosso mundo, do modo que ela escolheu.”

A lição de vida deixada pelo livro é “... O amor significa (va) pensar mais na felicidade da outra pessoa do que na própria, não importa quão dolorosa seja sua escolha.”
É um livro que vale a pena ler!

EM BREVE MAIS NICHOLAS SPARKS PARA VOCÊS LEITORES!!!

Cursos e Oficinas Literárias

Caros leitores, gostaria de divulgar alguns cursos bem legais para aqueles que amam literatura!


A última Música – Nicholas Sparks





 
Gente, quem já leu deve saber que esse livro é muito lindo, emocionante, apaixonante e sensacional... Nossa!!! Os elogios a serem feitos a essa obra são infindáveis. É um livro que merece um espaço na cabeceira da cama juntamente com os que mais tive o prazer de ler na vida.

Bom falando do livro em si....
O que esperar de um verão num local onde não se conhece ninguém, não se conhece nada e que é preciso ficar na casa de um pai que deixou de ser presente em sua vida há algum tempo, pois é, assim como a vida, esse romance nos coloca a guisa de uma história pra lá de especial, onde personagem principal (Ronnie) mostra que às vezes é preciso abrir mão do que já se conhece e permitir-se conhecer o novo, ou talvez reconhecer o “velho” – seu pai Steve que não teve a chance de explicar o porquê a abandonou juntamente com seu irmão Jonah (irmão mais fofo que já vi), e sua mãe. Esse livro mostra dentre tantas lições que é preciso aprender a perdoar antes de qualquer coisa, é também é preciso mudar aquilo que nos afasta das pessoas que amamos e que o mais importante de tudo é que é preciso dar valor a cada segundo de nossas vidas, antes que seja tarde demais.
Dentre as partes do livro às que mais me emocionaram – e olha que foram tantas (rsrs) – houveram algumas especiais para mim como leitora – daquelas de rir e chorar mesmo, independente de onde eu estava lendo:
O primeiro beijo entre Ronnie e Will – como resposta a um pedido de desculpas;
Jonah dar todas suas economia à Ronnie para que ela comprasse um vestido para ir ao casamento da irmã de Will (que era de classe alta);
Quando Megan (irmã de Will) vai atrás de Ronnie para saber se ela realmente ama seu irmão;
Quando Johan tem que ir embora e se despede de seu pai – que está em estado terminal;
Quando Ronnie volta a tocar piano como forma de agradecimento a tudo que seu pai fez a ela, e como pedido de desculpas por tê-lo julgado antes de saber o motivo dele tê-los abandonado;
Além dessas houveram outras tantas infindáveis e tão memoráveis quanto as já mencionada.
Esse, com certeza, é um livro que ficará PSNMP ‘Para Sempre no Meu Pensamento” quem leu o livro saberá porque abreviei assim!!!
Agora se tratando do filme, já não é de hoje que me decepciono com a “transformação do livro para filme”, que a meu ver tira a essência do que o autor quis passar ao leitor, que deixa perder muitas partes boa do livro, enfim, tira totalmente o valor que o livro tem, mas, sejamos francos “A última música - o filme” tira totalmente a essência do livro, tira a emoção, corta partes importantes do livro e perde o brilho que o livro tem.
E o pior de tudo é que não consegui ver os personagem do livro nos do filme, parecia outra história e muito mal interpretada.
NÃO RECOMENDO QUE ASSISTAM AO FILME,
POIS PODEM SE CHATEAR ASSIM COMO EU!!!

Luci Afonso - Uma velhota que já foi criança


Bom o que falar dessa “Velhota...”, pois é a Luci Afonso pra mim foi uma grande descoberta, conheço-a a pouco tempo e vejo que ela tem muitas coisas em comum a mim, dentre elas é proporcionar às pessoas leituras maravilhosas. Além de escritora, ela é uma inspiração para os que a lerem (isso eu garanto), suas crônicas nos seguram do início ao fim, que nem da vontade que o livro acabe só pra ter o prazer de ler mais um pouquinho.




Seus Livros - Seus encantos:
 

 O guardião da manhã – Luci Afonso

Primeiramente gostaria de agradecer à Luci, que para mim além de inspiração já és uma amiga que além de me proporcionar leituras tão agradáveis é uma grande parceira em minhas peripécias literárias e solidárias.

Quanto ao livro! Ah que livro, cheio de assimilações do nosso dia a dia, da nossa sociedade consumista, egoísta, enfim características bem típicas nas obras de Luci. Mais ao mesmo tempo, o livro mostra cotidianos pra lá de divertidos e de pessoas de bom coração e que ainda existem.

Houve uma crônica que me encantei - “Parabéns a você” narra de forma peculiar e único um aniversário que não chegou a acontecer “plantamos as margaridas ao seu lado, guardamos os fogos e soltamos os balões para que te acompanhem entre as nuvens”.

A crônica “Amém” é muito engraçada, faz o leitor pensar que o Menino (personagem) é um gato, um cahorro, um menino mesmo... mais você vai se surpreender com o que é o menino.

Dentre essas e outras Luci preenche o leitor com muita doçura, graciosidade e espontaneidade.


Senhora dos Gatos – Luci Afonso

Nessa obra de Luci – sim posso chamar de obra esse primor de livro que a cada página nos surpreende ou com as crônicas ou com as maravilhosas ilustrações de Marcia Bandeira e Lelo – o livro é um “fragmento da vida real” por isso torna a leitura algo mais prazeroso ainda, porque por hora ou outra você acaba se identificando com algum personagem, ou situação.

Adorei cada uma das ilustrações mais as que mais me chamaram a atenção foram: um pavão, com penas diferentes umas das outras, denotando a multidisciplinaridade de pessoas e culturas existentes no mundo - uma gatinha com uma fechadura na testa e a chave na boca, ilustrando uma das crônicas do livro que fala sobre gatos e seus “segredos”.

Das crônicas, as que mais gostei, foram: a “Doidinha” que mostra que devemos agir de acordo com o que queremos não importa o que os outros vão dizer; “Gemer, miar, amar” mostra o  amor do animal (gato) pelo ser humano e do ser humano pelo animal (gato) e “Palavrinha ou palavrão?” que mostra claramente o que ultimamente vejo nos seres humanos (que em São Paulo, pegam fila pra tudo, transportes públicos lotados e estão sempre correndo e esbarrando uma nas outras – o que já é motivo pra brigas diárias).

 Velhota Eu?  – Luci Afonso

O livro é uma graça, que traz em si a essência do que é a vida dos mais velhos, algumas culturas dos antigos que foram perdidas ao longo do tempo, sinceramente esse livro me emocionou demais já que me fez lembrar minha infância – vivida ao lado da minha vó, que me ensinou os bons modos, pedir a benção, enfim, me ensinou os princípios da vida, princípios esses que são esquecidos hoje nessa sociedade tão “MEDONHA”, sim, eu disse medonha. Medonha pelo fato de as pessoas estarem querendo se abocanhar a todo o momento, tirar proveito das pessoas e situações, falta de respeito, paciência, educação e de amor a si e ao próximo.

Ri muito com a crônica “Barriguda”, crônica esta que traz uma situação engraçada que acontece todos os dias  - que é uma mulher “gordinha” ser confundida com “gravidinha”, e gostei muito de “Casas de infância”  que também me fez lembrar da casa da minha vó antes de ela ir habitar o outro lado da vida.

 
Finalizo minha análise às obras de Luci com um trecho do texto de Marco Antunes – contido na obra “Velhota Eu?”:

“... essa mulher que põe o dedo na ferida da brutalidade masculina, no corte do preconceito, no ardor de nossos pequenos descuidos que ferem e machucam a alma... armada de sua pena contra o mundo... Luci... sabem nos colocar na cena... uma maravilhosa descoberta... (deixando) uma tal saudade de leitura...”

 

 

Fala sério, amiga! – Thalita Rebouças


FALAAAA SÉRIOOO MESMO esse livro é hilário, e faz com que saiam risos inesperados e ás vezes até sem controle... imagine a cena você num metrô lotaaadooo se equilibrando para ler e todo mundo em silêncio (ou quase todo mundo) e de repente – kkkkkkkkkkkk- risada alta sai de você sem que você perceba, pois é, e pra finalizar todo mundo olha pra sua cara e pensa que você tá louca, quando não pensam que você tá rindo de alguém...

O livro traz crônicas super engraçadas, e é uma leitura super reconfortante – aborda temas que muitos de nós já nos pegando pensando e até passamos, como por exemplo, a inocência e sinceridade das crianças ao falarem e fazerem as coisas, as maluquices da adolescência como os beijos, a aparência da gente quando jovens – tanto aquela que queremos passar, e aquela que realmente passamos, a disputa de poder no colégio, as várias paixonites, as desilusões, e todas os outros acontecimentos da adolescência e entre amigos.

Gostei do livro, mesmo se tratando de literatura infanto-juvenil é um livro com crônicas maravilhosas para gente recordar os momentos de nossa adolescência. Teve uma que eu gostei e me identifiquei muito que é a “Essa moça tá diferente” que conta a história de Leonor uma jovem que ama cantar e com a ajuda de Malu (personagem principal) consegue fazer seu primeiro show, que mesmo tendo sido realizado em um “bar pra lá de caído” fez a platéia até pedir autógrafo, me identifiquei porque meu sonho é cantar também desde a infância!!! ^.^

A frase que define esse livro é “amigo é o bem mais precioso que a gente tem... é a família que agente escolhe...”
A autora ainda tem mais livros da mesma série: FALA SÉRIO, conheça:

Boa tarde,

Agora sou colaboradora do Blog do Galeno!!! ^.^

A pedidos de uma seguidora do Blog Manual de auto-afirmação feminina - Pamela E. Butler

Uma seguidora do Blog me pediu a indicação de um livro – e identificando o perfil dela eu resolvi indicar esse Manual de Auto-Afirmação feminina, tendo em vista que é um livro totalmente feito para mulher tendo em vista que o mesmo foi escrito por uma mulher (psicóloga especialista em mulheres), e que ainda oferece às leitoras diversas atividades de reflexão para melhoria não só da auto-afirmação, mas também, da auto-estima, autoconfiança, enfim, muito bom para quem deseja conhecer-se um pouquinho mais.
Mesmo se tratando de um livro dos anos 80, sua linguagem e suas técnicas são totalmente atuais e funcionais.
Além disso, traz muitas coisas a serem refletidas, porque ainda permeiam nossos dias, mesmo hoje sendo tudo tão moderno e “liberado”:
“... aprendemos que a raiva é má e que devemos esconder nossos sentimentos negativos... – só quando vocês expressarem os sentimentos negativos acumulados é que poderão saber se os sentimentos positivos serão suficientes...”.
Exatamente, desde pequenos somos lembrados por nossos pais que devemos esconder qualquer sentimento de repulsa pelo outro, o que faz com que cresçamos inibindo a nós mesmos de nossos próprios sentimentos.
“... [aprendemos] seguir um conjunto de atitudes... não é à toa que dizer “não” acaba se tornando uma tarefa difícil e estressante”.
Excelente análise da autora, já que desde crianças nos são impostas regras de condutas e imposições, o que faz com que cada vez mais não saibamos dizer não às coisas que não queremos ou não estamos a fim.
“... A definição de limites é uma das áreas mais difíceis da assertividade feminina. Em nossa cultura, as mulheres aprendem a ser delicadas, modestas, submetendo as próprias necessidades aos interesses dos outros. Quando uma mulher representa esse papel culturalmente aceito, acaba dando atenção a todos, menos a si própria”.
Isso ainda é visto em nossa sociedade é só colocar um homem e uma mulher do lado um do outro – se falam palavrão logo vem “homem falando palavrão é feio... mas mulher é ridículo”.
Essas e outras são as passagens desse livro muito bom, que faz com que reflitamos um pouco mais nossa posição de mulher diante a sociedade, ao companheiro, aos amigos, ao emprego, enfim diante a nós mesmas.

Entrevista João Scortecci - Livro: A maça que guardo na boca


 
 
Prometi e estou cumprindo mais rápido do que eu pensei... Obrigada ao João Scortecci por nos agraciar com suas palavras e definições do livro.

Porque decidiu escrever a obra?
A Maçã que Guardo na Boca era o livro erótico e sensual que sempre quis escrever. O projeto estava sendo adiado desde o final dos anos 90. Parei dois outros livros que agora – com mais calma – volto a escrevê-los. Estou satisfeito com o resultado

O que quer passar para o leitor com essa obra?
O desejo e o amor pelas mulheres. As que sangram e as que não sangram mais. Um tributo. Nada é mais belo que uma mulher no cio.

Sabendo que cada leitor interpretará a obra de uma maneira, sendo o livro uma verdadeira "caixa de supresas", qual a linhagem que você acredita que os leitores vão seguir?
O livro é um pavio na secura de palhas e madeira. Pegando fogo não haverá outra interpretação além de um fogaréu. Alguns são ligeiros, fortes, violentos. Outros não. Assim são as mulheres no cio. Explosivas e insaciáveis. As mulheres são diferentes e isso me agrada muito. Os homens são comuns, simplórios, objetivos demais.

Há uma mensagem principal no livro qual é?
O livro foi escrito no corpo de mulheres nuas. Um livro cheio de cumplicidade pelo gozo e pelo pecado da carne.


 



A maça que guardo na boca – João Scortecci



 “Das angústias... Ansiosas lâminas de corte!”

Quão forte essa frase não... Pois é, assim posso descrever o livro do Scortecci, totalmente forte e cheio de mensagens subliminares, que além de fazer com que o leitor interprete de várias formas, remete a muitas vertentes:




  •       As várias faces do prazer;
  •    O erotismo e o prazer presente nos contos de fadas;
  •   A figura maça – como “fruto proibido” – remetendo ao jardim do Éden (bíblia);
  •           Prazer e erotismo como “pecado – proibido”?

Inicia falando da Deusa Afrodite, que por si só já é totalmente erótica e considerada a Deusa das Prostitutas.


É interessante a visão do autor dos “pecados da carne” como algo lúdico.
Além disso menciona personagens muito interessantes além de Afrodite, menciona a Pandora e sua caixa que guardava inúmeros segredos.
E algumas outras personagens, o que nos faz as avaliar pelo viés do erotismo e sensualismo.
“... Não há mais o que retirar do espelho e também das superfícies... Das clarividências do vidro” – lembro da Bruxa na Branca de Neve “- Espelho! Espelho meu...” (ela querendo tirar do espelho uma beleza que não existia).


“... sereias...”
Entre outras.






Resta saber o que o autor pensava enquanto escrevia as linhas das poesias que enchem o livro – e eu to curiosa... por isso vou tentar fazer uma entrevista com o mesmo, e se der coloco aqui numa próxima postagem!

Sorteio

Bom dia Lindossss!!!

1º sorteio - Fevereiro 2014

Tire uma foto que represente sua relação de leitor com seu(s) livro(s), e mande para meu e-mail - grazimoraes09@gmail.com
Serão escolhidas 3 fotos melhores fotos a serem votadas pelos leitores do Blog.
O melhor leitor ganha o livro: Marley e Eu - John Grogan.

Válidas fotos até 10 fevereiro 2014

Inspire-se na foto da leitora Michele

Sociedade da Fortuna - Fábio Araújo



Um livro muito divertido e instrutivo.

O personagem Lucas (principal da obra) além de muito divertido é extremamente curioso e inteligente e cheio de artimanhas, e mostra-se interessadíssimo desde o início nas questões financeiras da família que passa por problemas e mais problemas financeiros por não saber gerenciar as finanças da família – fator esse que faz com que muitas famílias sejam desfeitas.

O livro traz muitas frases interessantes de outros autores, que além de ter tudo a ver com a questão das finanças pessoais, faz com que haja uma reflexão por parte de quem lê:

“Toda noite quando vou dormir, morro. E, na manhã seguinte, quando acordo, renasço”. (Mahatma Gandhi) – no livro essa frase diz respeito às finanças e a um jogo de loteria, mas, pode ser pensada sobre várias vertentes da vida, principalmente para os problemas do dia a dia, então vamos dormir e esperar, porque o amanhã sempre será um novo dia.

Além dessa frase Mahatma Gandhi tem inúmeras outras que são totalmente reflexivas, vale à pena pesquisar, dentre elas eu adoro essa:








O que dizer de um livro que você tem vontade de ser um pouquinho de cada personagem, Toni com sua sabedoria e conhecimento, Lucas e Vini com a força de vontade, garra e persistência, o senhor Luper Dido que mesmo diante a tantos problemas financeiros tem vontade de mudar...
E sem falar nas “coisas” que os meninos ganham – carta de convocação, caderninho com o logo da Sociedade da Fortuna, chaveiro de tubinho de oxigênio (amuleto)... se bem que eu ao ler o livro senti como se estivesse recebendo cada um dos objetos, inclusive a máquina de dinheiro – que a meu ver ela é o conhecimento obtido quanto à questão da gestão financeira.

Sinceramente eu gostaria muito de participar da “Rota” e entrar em cada uma das tendas, participar dos desafios, das aulas na pirâmide, entrar no farol, enfim fazer parte da Sociedade da Fortuna.
Quanto aos inimigos da Sociedade da Fortuna acredito que exista sim e na vida real – são as pessoas que fazem-nos comprar desenfreadamente e sem planejamento algum. Inimigos estes que torna nossa sociedade tão consumista, e cada vez mais se torna escrava de si mesma.

E para finalizar convido a todos a ler essa fantástica aventura que além de proporcionar muito conhecimento no mundo das finanças pessoais, permite que o leitor descubra coisas bem legais – como ajudar o próximo, ser voluntário, ir atrás de seus sonhos, enfim leia e descubra.
Eu não gosto muito de ler livro na tela do PC, mas pra quem curte:


  Obrigada ao amigo Fábio - que me deu um exemplar com dedicatória, e me permitiu acompanhar o desenvolvimento desse livro fantástico.

“...o segredo é se conhecer para definir os sonhos e o

 real papel do dinheiro na sua vida...”