Entrevista - Flavio Sanctum 38 anos (Autor)



Recentemente, postei a resenha do livro Nada Mais do Que Isso do querido Flavio Sanctum, 38 anos, e agora enfim, trouxe a entrevista dele dada ao faces de uma capa.

Amante de escrever desde criança, Flávio Sanctum, além de escrever ele quando criança, brincava com seus primos e sempre inventavam muitas brincadeiras e personagens.

"... Já tivemos uma escola de vôlei, uma empresa de cartazes, tudo imaginário. Hoje consegui fazer dos meus sonhos uma realidade e trabalho com Teatro em uma grande instituição conhecida mundialmente, estudo artes cênicas e escrevo livros de ficção e acadêmicos..."
O autor sempre gostou de ler e mesmo antes de escrever ele ditava várias histórias para sua professora do Jardim de Infância escrever, depois a mesma pedia para que ele ilustrasse suas histórias no verso da folha.
"Pé de Pilão - Mário Quintana... Eu lia esse livro quase todo dia na biblioteca da escola. Depois de grande comprei o livro e tenho na minha estante. Gostava da forma poética dele escrever e dos desenhos. Mas como meu pai trabalhava em uma gráfica eu sempre lia muitos livros, adorava ver os livros sendo produzidos. Cresci no meio de livros e folhas...".
Sua leitura atual, é o livro O dia do Curinga - Jostein Gaarder parte integrante de uma pesquisa acadêmica que o autor está fazendo.
A leitura para Flávio Sanctum abre a imaginação, "...a criação de um outro mundo...".
Se pudesse escolher, escolheria ser o Homem Aranha, pelo simples fato de gostar de sua roupa.
Flávio, gosta de livros de teatro, tendo como seu livro favorito A estética - Augusto Boal "... a política envolvida em sua teoria me deixa muito instigado e com vontade de aprender, ensinar e modificar o que não me agrada no mundo...".
Fale sobre sua obra Nada Mais do Que Isso já resenhado aqui no blog:
"... Eu quis escrever para outros jovens que estivessem se descobrindo apaixonados por alguém do mesmo sexo. Escutamos dizer que os gays são promíscuos, estão endemoniados, mas o que eu sentia era tão bonito e sensível que fiquei com muitas dúvidas se era certo ou errado. E não tinha em nenhum lugar nada que me explicasse sobre o que se passava comigo ou que me desse esperanças de que eu não era doente. O único livro que eu tinha que falava de homossexualidade era um sobre saúde e dizia que era um desvio emocional ...".
O autor tem vários projetos, mais algumas ideias de livros para jovens gays, além disso, fará 20 anos no Centro de Teatro do Oprimido e está com sua pesquisa de doutorado em andamento.
Quanto ao blog Faces de Uma Capa, o autor deixou o seguinte recado, que me deixou muito feliz:
"Acho muito importantes a iniciativa do blog Faces de Uma Capa, pois tira das grandes editoras a divulgação exclusiva dos livros.. quanto mais espaços tivermos para divulgarmos livros que não temos acesso fácil melhor... continue a espalhar as faces de várias capas pela internet..."

2 comentários :

  1. Muito boa a entrevista!
    Parabéns ao Flávio - pelo trabalho - e a você, Grazi, pelo sempre belo blog.
    Beijo.

    Elder Prates.
    www.elderprates.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Elder pelo comentário... realmente o Flávio merece parabéns mesmo... sabe estava analisando esses dias e percebi quanto a escrita dele é parecida com a do Pedro Bandeira.
      Vale a pena ler.
      Abraço!

      Excluir

Deixe seu comentário