Dois livros Maravilhosos

Boa tarde,

... no final do domingo resolvi pegar livros em minha estante aleatoriamente pra ler, e como sempre, me surpreendi com histórias além de maravilhosas, encantadoras e cheias de lições para a vida. Com isso, resolvi compartilhar mais essa experiência com vocês e convida-los a ler tais obras, pois valem a pena.




O Pequeno Príncipe
Antoine de Saint-Exupery

Conta a história de um aviador que após uma pane no avião em que estava, se vê perdido no deserto do Saara (África), no entanto, no momento em que está tentando fazer seu avião voltar a funcionar, se depara com um menininho "O Pequeno Príncipe", menino este que lhe enche de perguntas e o leva a conhecer sua história, o local onde vive através da imaginação.

Uma história que a meu ver serve tanto para criança, quanto para adultos e traz em si lições para a vida e faz com que lembremos da nossa infância em vários momentos, chegando por vezes até a esboçar um sorriso durante a leitura.

O Principezinho é capaz de mostrar a pureza e simplicidade existente numa criança de uma forma mágica.

Um fato muito notório na escrita do autor é a preocupação em mostrar que viver no mundo das crianças é muito mais gostoso, como por exemplo, quando o Pequeno Príncipe fala que os adultos se dão ao trabalho de se importar com tantas coisas "inúteis", como quando reparamos a veste de uma pessoa e a ela atribuímos um "rótulo" (pré-julgamento), e isso é bem verdade, afinal é muito fácil uma criança retribuir um sorriso a um mendigo independente da vestimenta do mesmo.

Dentre tantas lições existentes na obra, deixo a que mais gostei aqui registrada para vocês, e convido aos que já leram à deixar nos comentários deste post suas percepções e as lições tiradas desse maravilhoso livro.

"... É preciso exigir de cada um, o que cada um pode dar..."


Pra quem gostou do Pequeno Príncipe, também vai gostar de O Pequeno Filósofo - http://www.facesdeumacapa.com.br/2014/01/o-pequeno-filosofo-gabriel-chalita.html

O Velho e o Mar
Ernest Hemingway

Já tinha ouvido falarem de tal obra anteriormente, no entanto, só se pode confirmar a máxima da obra ao lê-la.
O livro traz uma história de uma constante batalha entre o homem e a natureza, onde pescador entra em constante batalha com o mar em busca da pesca.
Essa batalha, deixa ao leitor a escolha da vitória ou derrota, acredito que cada leitor interpreta de uma maneira, tudo dependerá do ponto de vista do mesmo.
O personagem Santiago ao mesmo tempo que traz em si uma descrença por não conseguir pescar, ele acredita que está sem sorte, luta até o final em busca de sucesso, e esse e o ápice da narrativa, já que faz com que o leitor queira ir até o final para ver o que será dele.

"...Existem muitos pescadores bons e alguns mesmo ótimos. Mas como você não há nenhum...."

E ao meu ver a vida é assim, afinal ninguém é melhor que ninguém, somos todos 'iguais", com personalidades, gostos e atos diferentes mas ninguém é igual a ninguém.

Recomendo as obras por igual.

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu comentário