Sociedade da Fortuna - Fábio Araújo



Um livro muito divertido e instrutivo.

O personagem Lucas (principal da obra) além de muito divertido é extremamente curioso e inteligente e cheio de artimanhas, e mostra-se interessadíssimo desde o início nas questões financeiras da família que passa por problemas e mais problemas financeiros por não saber gerenciar as finanças da família – fator esse que faz com que muitas famílias sejam desfeitas.

O livro traz muitas frases interessantes de outros autores, que além de ter tudo a ver com a questão das finanças pessoais, faz com que haja uma reflexão por parte de quem lê:

“Toda noite quando vou dormir, morro. E, na manhã seguinte, quando acordo, renasço”. (Mahatma Gandhi) – no livro essa frase diz respeito às finanças e a um jogo de loteria, mas, pode ser pensada sobre várias vertentes da vida, principalmente para os problemas do dia a dia, então vamos dormir e esperar, porque o amanhã sempre será um novo dia.

Além dessa frase Mahatma Gandhi tem inúmeras outras que são totalmente reflexivas, vale à pena pesquisar, dentre elas eu adoro essa:








O que dizer de um livro que você tem vontade de ser um pouquinho de cada personagem, Toni com sua sabedoria e conhecimento, Lucas e Vini com a força de vontade, garra e persistência, o senhor Luper Dido que mesmo diante a tantos problemas financeiros tem vontade de mudar...
E sem falar nas “coisas” que os meninos ganham – carta de convocação, caderninho com o logo da Sociedade da Fortuna, chaveiro de tubinho de oxigênio (amuleto)... se bem que eu ao ler o livro senti como se estivesse recebendo cada um dos objetos, inclusive a máquina de dinheiro – que a meu ver ela é o conhecimento obtido quanto à questão da gestão financeira.

Sinceramente eu gostaria muito de participar da “Rota” e entrar em cada uma das tendas, participar dos desafios, das aulas na pirâmide, entrar no farol, enfim fazer parte da Sociedade da Fortuna.
Quanto aos inimigos da Sociedade da Fortuna acredito que exista sim e na vida real – são as pessoas que fazem-nos comprar desenfreadamente e sem planejamento algum. Inimigos estes que torna nossa sociedade tão consumista, e cada vez mais se torna escrava de si mesma.

E para finalizar convido a todos a ler essa fantástica aventura que além de proporcionar muito conhecimento no mundo das finanças pessoais, permite que o leitor descubra coisas bem legais – como ajudar o próximo, ser voluntário, ir atrás de seus sonhos, enfim leia e descubra.
Eu não gosto muito de ler livro na tela do PC, mas pra quem curte:


  Obrigada ao amigo Fábio - que me deu um exemplar com dedicatória, e me permitiu acompanhar o desenvolvimento desse livro fantástico.

“...o segredo é se conhecer para definir os sonhos e o

 real papel do dinheiro na sua vida...”

6 comentários :

  1. Paula Souza4:28 AM

    Uhuuuu!! Onde posso comprar esse livro? Que demais!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro pode ser adquirido na Livraria Cultura - ou no site www.livrariacultura.com.br, ou ainda no site da editora Mais Ativos, www.maisativos.com.br, seção LIVROS.

      Excluir
  2. Paula você pode fazer o Download grátis pelo site da Sociedade da Fortuna ou na Saraiva - http://busca.livrariasaraiva.com.br/search#w=sociedade%20da%20fortuna&PAC_ID=&af=


    ...
    Me segue!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  3. Fabio Araujo5:08 AM

    Grazi,
    Adorei sua análise e sua identificação com os personagens. Com certeza você terá sucesso em sua vida.
    Sobre frases, gosto da do Alexandre Dumas: "Não estimes o dinheiro nem mais, nem menos do que ele vale: é um bom servo e um péssimo amo"
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Walter Motta8:16 AM

    Gostaria de ter lido esse livro na minha escola. Acorda Brasil! Precisamos de material de qualidade! VLW

    ResponderExcluir
  5. Que chique o autor passou no blog...
    Quanto ao que o Walter comentou concordo plenamente, as escolas já perdem por não terem bibliotecas de qualidade - e não indicando livros bons como esse do Fábio, perdem ainda mais; tornando a sociedade cada vez mais dependente do consumo - ligando mais para o "ter" do que o "ser".

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário